sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

QUEM SABE ALGUMA CARTA!

Existiu um tempo aqui em Fortaleza onde as pessoas se comunicavam em pedaços de papel enviados em envelopes com selos via correio. A cara ou a moça com calça azul vinha e trazia notícias de pessoas conhecidas ou desconhecidas, e colocava nas caixas de correio ou empurravam por baixo das portas. Era um tempo bom. Pelo menos para mim ainda era um tempo de possibilidades, onde se podia pensar em fazer algo grande, sem saber ainda que nada fosse realmente acontecer. Era tempo das produções com fanzines e as pessoas se comunicavam escrevendo cartas.

Existe algo de mágico em escrever e receber uma carta. Para escrever uma carta você precisa ter o que dizer. Tempo. Dispocisão. Quando se recebe uma carta, você sabe que a pessoa que escreveu dedicou um tempo de seu dia em procurar papel, caneta, e sentar, escrever para você. Que foi ao correio e pegou fila para que aquele pedaço de papel chegasse até você. Isso é algo mais humano do que receber apenas a conta do cartão. De alguma maneira, eu perdi essa humanidade. Falando de mim mesmo com os outros.

Me correspondi durante alguns anos com pessoas dessa cidade. Pessoas que conhecia e recebia cartas entregue nas mãos, pessoas que não conhecia e nunca vim a conhecer. Pessoas que conheci e conheço até hoje só por papéis, e vivemos na mesma cidade e nunca nos vimos. É algo bonito, e estranho, e gosto de distâncias. Mas de alguma forma, perdi essa humanidade. No tempo em que escrevia cartas eu tinha algo a dizer, tinha muito a dizer. E hoje, com o passar dos anos, noto cada vez mais que o silêncio tem se tornado minha voz. Não existe nada de triste nisso. Pelo menos não para mim. Mas sinto falta de ter algo para dizer em letras escritas.

Bom, se uma porta não se abre, você pode quem sabe tentar arrombar. Então encontrei no blog Dear Sky isso:

Day 1 — Your Best Friend
Day 2 — Your Crush
Day 3 — Your parents
Day 4 — Your sibling (or closest relative)
Day 5 — Your dreams
Day 6 — A stranger
Day 7 — Your Ex-boyfriend/girlfriend/love/crush
Day 8 — Your favorite internet friend
Day 9 — Someone you wish you could meet
Day 10 — Someone you don’t talk to as much as you’d like to
Day 11 — A Deceased person you wish you could talk to
Day 12 — The person you hate most/caused you a lot of pain
Day 13 — Someone you wish could forgive you
Day 14 — Someone you’ve drifted away from
Day 15 — The person you miss the most
Day 16 — Someone that’s not in your state/country
Day 17 — Someone from your childhood
Day 18 — The person that you wish you could be
Day 19 — Someone that pesters your mind—good or bad
Day 20 — The one that broke your heart the hardest
Day 21 — Someone you judged by their first impression
Day 22 — Someone you want to give a second chance to
Day 23 — The last person you kissed
Day 24 — The person that gave you your favorite memory
Day 25 — The person you know that is going through the worst of times
Day 26 — The last person you made a pinky promise to
Day 27 — The friendliest person you knew for only one day
Day 28 — Someone that changed your life
Day 29 — The person that you want tell everything to, but too afraid to
Day 30 — Your reflection in the mirror

Não é explicado muito bem por Chrissie Guenever, uma garota que escreve bem que só e que já tem outro blog, o Épiphanie. Mas dá para ver que é um tipo de projeto onde se escreve uma carta por dia.

Bom, acho que vou tentar isso. É claro que, como sou ruim de escrita e minhas cartas são apenas no tipo “como vai seu dia” vou alongar de uma carta por dia para uma carta por mês. Quem sabe assim empurrando encontre alguma coisa para dizer para alguém, e para mim mesmo. E vou na medida do possível postar as tosquises aqui no blog.

Como Chrissie disse; “Vou tentar escrever essas paradas aí. Talvez eu descubra que conheço bastante gente. E quem sabe um dia, elas cheguem até essas cartas e saibam que foi escrito para elas.

Quem sabe eu não descubro que tenho algo para dizer para mim mesmo?!


2 comentários:

Liz.zy Jenks disse...

Eu nunca recebi uma carta sequer na vida! Mas confesso, também nunca escrevi uma! rsrsrs
Esse costume se perdeu quase que totalmente por causa de telefones e e-mail. As pessoas estão muito mais imediatistas, não querem "perder tempo".
Isso me lembrou que uma amiga me prometeu uma carta, mas ela ainda não chegou! Isso tem mais ou menos uns 3 meses. =/
hasuauhsas

Abraços
http://lizzyjenks.blogspot.com/

Carlos Alberto disse...

Gosto muito de escrever e receber cartas, pena ter ficado cada vez mais preguiçoso para isso. Mas Lizzy, a idéia está dada. E podemos nos corresponder. E mais coisas sobre cartas vem por aí logo.