sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

CONSTANTINE.



Comecei a assistir Constantine sentindo que era um dos seriados mais incompreendidos que estava acompanhando no momento. Comparações estranhas, pessoas desacreditando a série dês do princípio. Parece que isso foi mudando um pouco ao fim de sua temporada inicial, mas não muito.

Alguns dos primeiros comentários que eu li quando o trailer foi lançado é que a série parecia e seria uma cópia de Sobrenatural. Eu que leio os quadrinhos de Hellblazer há muito tempo, e acompanhei Sobrenatural até a quarta temporada, sempre senti que a série dos irmãos Winchester era que chupavam das Hqs de Constantine, existiam momentos em que era quase visível as influências. Mas como quem chega à TV primeiro ganha, essas comparações aconteceram mesmo, e continuaram, mudando um pouco no meio da temporada dizendo, “É, não ta tão parecido com Sobrenatural”.

Outros comentários iniciais eram sobre quem viveria John nas telas da TV. Fãs do filme que foi para o cinema em 2005 falavam coisas como “poderiam ao menos colocar Keanu Reeves para fazer o personagem outra vez”. Constatine parecia que iria trilhar um caminho árduo para ganhar um público.



O episódio piloto foi vazado meses antes da estréia e chegou a impressionar os fãs dos quadrinhos e também quem nunca leu. Meses depois veio a estréia, e o piloto tinha tido seu fim mudado mostrando um novo caminho para a série. Mas se o primeiro episódio era muito bom, os dois que seguiram foram quase desastrosos, tanto em questão de história, quanto em questão de produção. “The Darkness Beneath” tem cenas e cenários tão toscos que desanimam. A série só foi pegar um novo fôlego com o quarto episódio “A Fest of Friends” história adaptada das duas primeiras edições de Hellblazer. O tom sério e sombrio, um John Constantine sacana como o original surgia e então parecia que o seriado ali iria desengrenar. Mas ao final da temporada, a sensação era que o seriado tinha momentos bons seguidos de momentos ruins, sempre assim, até o fim. E é interessante que os dois momentos fortes da série são justos os adaptados dos originais, “Waiting For The Man”, o episódio final foi uma bela adaptação a sua história original, com direito a uma pequena e boa homenagem a Jamie Delano, roteirista inicial de John em suas histórias solo.



Constantine série, como falei, é baseada na Hq Hellblazer. Lá nós temos um cara comum, vigarista, que usa a magia, a mágica, o ilusionismo para ganhar das situações que surgem em sua vida, sempre usando uma grande inteligência e quem estiver ao seu redor, amigo ou não para sair das situações. John Constatine é a imagem do cara que não liga pra nada nem ninguém que não seja ele mesmo em quase todo o tempo, as Hqs tem histórias sombrias, tensas e mostram um cara incrivelmente solitário vivendo em uma Londres caindo aos pedaços, tentando viver como pode, fazendo acordos com demônios e usando o oculto pra poder sobreviver.


Na TV isso não foi tão buscado. Assim como a adaptação cinematográfica, as histórias de Constantine se passam nos Estados Unidos. Quem deu forma na TV ao personagem foi o ator Matt Ryan, que se por um lado ficou idêntico na caracterização, por outro mostrou por muitos momentos um John engraçadinho, longe do sombrio Constantine das Hqs. Suas interpretações foram melhorando muito com os episódios que iam chegando, passando de uma "canastrice" visível a um personagem que ia sendo montado e aprofundado com o tempo.


Pra mim, a falta dessa solidão, a falta desse lado sombrio e triste, fizeram mais falta do que um cigarro fumado atrás do outro, uma das características do personagem original, que na TV aberta não podia ser mostrado. E isso sempre foi bem burlado pelos diretores e produtores, Constantine sempre aparece segurando um cigarro, ou o apagando, e nos últimos episódios apareceu fumando bem mais.



O canal que comprou o seriado foi a NBC, e inicialmente a série teria 22 episódios, mas no meio do caminho o canal resolveu que só seriam apresentados 13, deixando a série com uma season finale sem cara de season finale. E o futuro da série ainda continua incerta. No meio da temporada boatos de que por causa da baixa audiência o seriado não ganharia uma renovação, os atores e produtores começaram uma campanha na internet pedindo atenção da NBC para uma segunda temporada e a hashtag #SaveConstantine foi ganhando os twitters e Facebooks. Ainda assim Constatine não surgiu na lista recente dos seriados renovados pelo canal. Pros fãs da série e do personagem fica a esperança que a NBC a renove, ou o seriado seja comprado por algum canal pago, onde lá, poderia ser desenvolvido de uma forma melhor e com episódios mais pesados.



Infelizmente não acredito que isso vá acontecer de nenhum dos lados, o que é uma pena, John Constantine é um personagem incrível, que sendo bem construído e com boas histórias escritas para a TV teria tudo para ganhar um grande público. Infelizmente suas barganhas com o oculto parecem não o levar muito a frente, deixando nós fãs sempre com um gostinho amargo na boca.

Nenhum comentário: